Home Artigos Leishmaniose: doença infecciosa pode atingir animais e humanos

A leishmaniose é uma doença infecciosa, porém, não contagiosa, causada por parasitas do gênero Leishmania. Existem dois tipos de leishmaniose: a tegumentar (ou cutânea) que se caracteriza por feridas na pele e nas mucosas, como nariz, boca e garganta; e a visceral (ou calazar) que é uma doença sistêmica, atacando órgãos internos, principalmente o fígado, baço e a medula óssea e que é comum também em crianças de até dez anos.

A transmissão é feita por insetos que se alimentam de sangue (hematófagos). Em cada localidade eles são conhecidos de um modo:  mosquito-palha, tatuquira, birigui, cangalinha, asa branca, asa dura e palhinha.

Essa doença afeta principalmente cães, mas também pode ocorrer em animais silvestres e urbanos como ratos, gatos e humanos, principalmente crianças desnutridas, idosos imunossuprimidos e pessoas com AIDS.

A leishmaniose somente é transmitida pela picada do inseto infectado, nunca através dos próprios cães. Estes são apenas hospedeiros.

Os sintomas mais comuns são: emagrecimento, perda de pelos, fraqueza, anemia, gânglios inchados, feridas, lesão de pele ulcerada e blefarite. Nos órgãos internos, o sintoma mais recorrente é o crescimento do fígado.

Esses sintomas também são comuns em outras doenças, portanto, apenas um diagnóstico preciso, feito por um médico veterinário a partir de exames de sangue e analises clinicas poderão dizer o que é.

Existem diversas formas de prevenção:

Mantenha o ambiente limpo: o transmissor da doença gosta de lugares com matéria orgânica, dessa forma, deixar sempre o quintal e a casa limpa são de extrema importância.

Coleira repelente: o efeito da coleira evita a picada do inseto, sendo uma importante arma contra a doença.

Vacinação: Existe vacina para leishmaniose. Ela previne cerca de 95% de chances dos cães se infectarem pela picada do inseto. O grande problema é o valor, pois como a produção ainda é pequena, os preços são inviáveis para boa parte dos donos.

Essa doença pode ser tratadas a partir de dois fármacos, entretanto são muito caros, o que vem gerando muito abandono e muita polêmica sobre a questão da eutanásia. Por isso, a prevenção é essencial.

Mesmo após o tratamento, é necessário lembrar que tanto os animais como os humanos infectados, continuam sendo portadores do parasita para sempre, contudo, estão mantidos sob controle.

Deixe um Comentário

Anuncie grátis!

OS MAIS VISTOS

Dicas-para-evitar-bolas-de-pelos-nos-gatos
0 87643

Quem tem gato que fica restrito a um ambiente interno sabe que há uma forte tendência ao ganho de peso e à...