Home Artigos Câncer contagioso entre cães tem rastreamento

Câncer contagioso entre cães tem rastreamento

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que existam 200 milhões de cães vagando sem tutor no mundo. O número representa um problema que ameaça não só o bem-estar humano como os próprios animais, expostos a diversas doenças. Um dos efeitos dessa reprodução descomedida é o tumor venéreo transmissível canino (TVT), espécie de câncer contagioso entre os animais (as células de um animal doente passam para outro, principalmente pelo cruzamento).

Estudo publicado na revista Science conseguiu, enfim, mostrar a origem da mutação genética, que, segundo os resultados, persegue a espécie há pelo menos 11 mil anos. A equipe de cientistas estuda há dois anos o genoma do TVT, um dos dois tipos de câncer transmissível conhecidos.

Alguns cânceres têm componente hereditário. A grande diferença do TVT é que ele sofreu uma mutação no passado e, em vez de morrer no animal, adquiriu o comportamento de transmissibilidade. Ele não é passado de geração em geração, mas sim pelo contato. O TVT é um tumor maligno, que pode se deslocar de um órgão para o outro. No entanto, esses casos são raros.

A doença foi citada na literatura pela primeira vez em 1820 e descrita de forma mais detalhada em 1904. Durante 110 anos os estudos pouco avançaram. Elizabeth e sua equipe deram um grande salto na compreensão do mal. A análise do DNA do tumor indicou que os cânceres vieram todos de um único cão, que viveu, segundo estimativa, há 11.368 anos, muito antes da dispersão das raças pelo mundo.

Relógio molecular

Para o sequenciamento do genoma foram colhidas amostras do tumor e do DNA de dois animais, um na Austrália e um no Brasil. A análise revelou que os tumores compartilhavam quase 2 milhões de mutações de células somáticas, número 100 vezes maior que a carga média encontrada em anomalias humanas.

As amostras foram comparadas com as de um banco de dados com o DNA de 1.106 cães, lobos e coiotes. A idade estimada do câncer foi feita por análise de um tipo de mutação, uma espécie de “assinatura mutacional”, associada à idade do paciente, no caso o cão doente.
Essa assinatura é um tipo de relógio molecular correlacionado ao número de mutações e à idade do câncer. A análise levou à estimativa de que o câncer apareceu há cerca de 11 mil anos em um cão de uma alcateia pequena, na qual os cães cruzavam entre si.

Esse animal tinha DNA de lobo e de cachorro e devia se parecer muito com o malamute-do-alasca, que apareceu há 4 mil anos na Ásia Oriental. Essa raça e o husky siberiano seriam os parentes mais próximos do portador original da mutação.

Cão original

No entanto, o DNA é mais semelhante ao do malamute. Os cientistas sabem até que o cão original tinha porte grande ou médio, com pelos curtos e retos e uma “manta” preta ou marrom nas costas. As orelhas eram eretas e a cabeça fina e alongada – descrição que lembra o malamute, mas pode corresponder a qualquer cão de grande porte do tipo spitz.

Além do TVT, o único exemplo de tumor transmissível conhecido é um que afeta a face do diabo-da-tasmânia, identificado em 1996 e conhecido pela sigla DFTD. Essa doença se espalhou rapidamente pelos animais da espécie, sendo muito mais agressivo que o TVT.

Deixe um Comentário

Anuncie grátis!

OS MAIS VISTOS

2 34925

As imagens são vistas com certa frequência nos postes e muros de ruas, praças e avenidas. Normalmente, uma cópia de xerox preta e branco...